Ser fã de Britney em 2019 está exigindo até entender um pouco da justiça americana! A briga judicial teve mais um capítulo nessa semana.

Após o pedido de saída temporário do cargo de tutor, Jamie Spears indicou Jodi Montgomery, pedido que foi aceito em uma audiência do último dia 9 de setembro. Decidiu-se que Jodi assumirá as funções do cargo até o dia 20 de janeiro de 2020. Não houve contestação ao pedido por nenhuma das partes envolvidas.

Porém, uma das audiências mais aguardadas pelos fãs aconteceu no dia 18 de setembro, a última quarta-feira, na qual esperava-se o resultado da avaliação que a juíza do caso solicitou após a polêmica do movimento #FreeBritney.

Nove pessoas ligadas ao caso comparecem à audiência, incluindo Jamie e Lynne Spears. No entanto, a pedido de Jamie, o caso foi mantido em sigilo e todos os presentes tiveram que se retirar da sala.

Aparentemente, de acordo com rumores, a audiência serviria para demonstrar o relatório de avaliação da tutela, mas tudo indica que não houve tempo hábil para elaboração do mesmo. Fontes informaram que, nos últimos três meses, Jamie Spears permitiu que a avaliação fosse feita durante apenas duas semanas, deixando o relatório inconclusivo. As jornalistas do Britney’s Gram, que vêm acompanhando as questões legais do caso, atentaram para o fato de que, até o início de setembro, não havia ninguém indicado nos autos para fazer a avaliação, o que é estranho. Para piorar a situação, Timothy Benson, médico pessoal de Britney, morreu de forma repentina devido a um aneurisma.

Sendo assim, a juíza decidiu postergar a discussão para o dia 20 de janeiro, justamente o dia da decisão se Jamie voltará ao cargo de tutor e quando (espera-se) a avaliação sobre a tutela também será apresentada.

Segundo mais rumores, Britney estaria presente na audiência, mas talvez tenha decidido de comparecer por imaginar que nada seria resolvido.